Atendimento: (86) 3221-0099

NOTíCIAS

Atitudes simples e de empatia contribuem efetivamente para a saúde mental das pessoas

Todo e qualquer indivíduo, demonstra em suas ações alertando que algo não está bem

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 29 de setembro de 2020

É inegável que 2020 tem sido um ano de grandes desafios e de impactos na saúde mental das pessoas. Com a chegada da pandemia da Covid-19, mudanças foram provocadas no convívio diário dos indivíduos em casa e no trabalho, além de estimular o isolamento para evitar a disseminação da doença. Contudo, algumas atitudes podem ser feitas para a proteção da saúde mental como harmonização do ambiente, não se cobrar tanto e relaxamento do corpo.

Setembro é lembrado pela cor amarela, que enfatiza a importância da preservação da vida e apoio emocional. Neste mês, diversas ações são feitas para a conscientização das pessoas para o cuidado individual e atenção ao próximo, principalmente, no atual cenário que vivenciamos. A psicóloga da Dmi, Ioná Vaz, pontua algumas atitudes importantes para o fortalecimento da saúde mental.

“As pessoas devem procurar relaxar corpo e mente. Algumas ações que podem ser feitas é investir em estratégias que possibilitem o equilíbrio das funções mentais, buscar alternativas que contribuem para harmonizar o ambiente externo e interno. E o mais importante não se cobrar tanto, seja a todo e qualquer tipo de situações, equilíbrio é essencial”, informa.

Alguns sinais podem ser percebidos em indivíduos com saúde mental abalada ou com tendência a depressão e ansiedade. Todo e qualquer indivíduo, demonstra em suas ações alertando que algo não está bem, isso se dá através da mudança de comportamentos, emoções alteradas, sentimentos e pensamentos desordenados, repetitivos e inadequados.

Ioná Vaz recomenda que as pessoas acolham e pratiquem boa escuta ao indivíduo com saúde mental comprometida. “Após uma boa escuta e acolhimento, aquela pessoa deve ser encaminhada a um profissional qualificado para realizar um tratamento de qualidade e com excelência. Tratar com descaso e sem empatia ao indivíduo que necessita de uma ajuda psicológica, são questões que precisam ser evitadas, pois muitas das vezes são interpretadas perante a sociedade como sinais de fraqueza”, finaliza a especialista.