Atendimento: (86) 3221-0099

NOTíCIAS

Os gatilhos que nos fazem checar nossos telefones toda hora, e como combatê-los

Confira quais são esses gatilhos, e o que você pode fazer para tentar mudar seus hábitos e passar menos tempo olhando para a telinha do seu smartphone.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 05 de junho de 2019

Não adianta negar: temos manias que nos fazem checar nossos smartphones constantemente, mesmo em situações nas quais isso pode ser socialmente rude ou emocionalmente cansativo. Agora, pesquisadores da Universidade de Washington (EUA) acreditam ter identificado quatro gatilhos comuns que levam pessoas de todas as idades a ficar grudadas no celular. Confira quais são esses gatilhos, e o que você pode fazer para tentar mudar seus hábitos e passar menos tempo olhando para a telinha do seu smartphone:

1º gatilho: durante momentos desocupados

Seja esperando um ônibus ou plantados na fila do banco, quando nos encontramos em situações nas quais não temos “nada” a fazer, retiramos imediatamente o telefone do bolso ou da bolsa para ver o que está acontecendo no resto do mundo. Não temos motivos para ficar entediados e desocupados, certo?

O problema é que um pouco de tédio pode ser bom para nós: uma equipe internacional de pesquisadores encontrou evidências de que isso ajuda o pensamento criativo. Em um artigo publicado na revista científica Trends in Cognitive Sciences, os pesquisadores explicam que tem a ver com a maneira como nossas mentes podem vagar livremente quando estão ociosas. Ou seja, da próxima vez que sua mente estiver em branco, lembre-se de que isso provavelmente não é uma coisa ruim.

Não há truque de mágica para se livrar do impulso de pegar o telefone em todos os momentos nos quais você não tiver mais nada a fazer. O que você precisa é estar ciente desse impulso, para tentar não ceder a ele.

Colocar o smartphone no modo “não perturbe” ou até desligá-lo por algumas partes do dia pode ajudar. Outro truque é deixá-lo em uma gaveta ou “fora do alcance” de vez em quando. Quem sabe você não é atingido por uma súbita explosão de criatividade?

2º gatilho: antes ou durante tarefas tediosas e repetitivas

O desejo psicológico de distração durante tarefas incômodas é bem conhecido. Sabe quando você tem que estudar para uma prova e, em vez disso, limpa a casa de alto a baixo, assiste todas as 10 temporadas de Friends pela terceira vez e organiza sua prateleira de livros em ordem alfabética?

Quando a mente fica presa em algo tedioso e repetitivo, ela quer escapar. E nossos telefones oferecem maneiras muito fáceis de se fazer isso, com seu fluxo interminável de tweets, postagens no Instagram, histórias do Snapchat e atualizações do Facebook. Mesmo quando enjoamos das redes sociais, há sempre a infinidade de opções do Netflix ou de sites em toda a World Wide Web.

Não podemos fingir que tarefas tediosas são mais interessantes do que nossos smartphones. No entanto, presumivelmente, essas tarefas são importantes e ficar checando constantemente o celular no meio delas vai fazer com que você leve muito mais tempo para terminá-las, tornando-as ainda mais maçantes.

Se você quiser maximizar o seu tempo livre, sua melhor aposta é focar nas tarefas tediosas primeiro. Você pode usar alarmes e aplicativos para lembrá-lo de resistir à tentação de checar o telefone.

3º gatilho: durante situações socialmente constrangedoras

Sabe quando você não está conseguindo se encaixar em uma conversa em grupo, ou quando está sozinho em um restaurante esperando por seu encontro do Tinder? É muito difícil não mexer no celular em momentos como esses. E tudo bem. Não é errado nem terrível querer mergulhar no smartphone para evitar constrangimento social.

Mas talvez seja uma boa não checar seu telefone todas as vezes que seu cérebro solicitar. Se você decidir olhar o Instagram pela centésima vez naquela noite ao invés de se engajar em uma situação social, pode acabar perdendo uma amizade ou uma conversa significativa.

Nesse caso, é uma questão de força de vontade – é preciso reconhecer que é mais fácil ficar no telefone e tentar ignorar essa “escapatória”. Você pode tentar usar senso de humor para se inserir no grupo, por exemplo. E talvez você descubra que superar o constrangimento social é mais fácil do que imaginava.

No mínimo, se você não conseguir resistir ao smartphone e encontrar uma postagem engraçada no Instagram, compartilhe com o grupo.

4º gatilho: quando estamos esperando uma mensagem ou notificação

Quem nunca se viu checando o telefone a cada minuto à espera de uma mensagem, ligação, e-mail ou o que seja?

Às vezes, isso é necessário – por exemplo, quando você está aguardando um táxi ou carona solicitados pelo celular, ou as indicações de um amigo para encontrá-lo em algum lugar.

Por outro lado, se você não sabe quando virá a mensagem e mesmo assim não desgrudar do celular, pode perder momentos preciosos com os amigos ou com a família. Essa é uma oportunidade para reavaliar suas prioridades.

Tente tornar os alertas de notificação claros e altos – nas configurações do seu smartphone, você pode alterar o tipo de alerta associado a cada aplicativo para saber exatamente de onde está vindo, ou definir toques personalizados para cada contato, de forma que você terá certeza se aquela mensagem que chegou é de quem você está esperando.

Feito isso, tente deixar o celular de lado. Você saberá quando a notificação importante chegar, e não ficará preso ao smartphone o tempo todo.

Fonte: Gizmodo